Galeria Lilás completa três anos de existência e valorização da mulher na política

Sessão Ordinária31.08.21

Criada em 2018, memorial homenageia vereadoras do Legislativo de Abelardo Luz

158725524 1780618798772967 9032029755280117817 n

No último dia 16 de agosto o espaço destinado às mulheres que passaram pela Câmara de Vereadores de Abelardo Luz, nestes 62 anos de Poder Legislativo, completou três anos de existência. O mural com as fotos das mulheres eleitas para ocupar o cargo legislativo foi aprovado em 16 de agosto de 2018, pelo Projeto de Decreto 01/2018 de autoria do então presidente do Legislativo Lucas Sernajoto e aprovado por unanimidade pelos vereadores da época.

Na data de sua inauguração, a 15ª Legislatura(2017-2020) contava, pela segunda vez na história, com três vereadoras, Carla Kleinebing, Isabel de Andrade e Queila Baretta. Além dessa, apenas a 11ª Legislatura (2001-2004) contou com mais de uma vereadora eleita no pleito, à época Mirian Fátima Bodaneze Kuhn, Marlene Agheta Piccinin e Rosane Fátima Corontti Domanski ocuparam cadeiras no Legislativo abelardense.

O espaço destinado a resgatar e manter o acervo histórico referente às Vereadoras que ocuparam e ocupam uma cadeira no parlamento municipal, ainda conta com a vereadora Márcia Silvana dos Santos, eleita para a 13ª Legislatura(2009-2012) e da primeira vereadora eleita, Maria de Lourdes Bodanese, eleita para a 7ª Legislatura(1983-1988).

16ª LEGISLATURA

Na atual Legislatura o parlamento conta com apenas uma mulher entre os 11 vereadores. Dejanira Bullé, do Partido dos Trabalhadores, eleita no último pleito com 289 votos para seu primeiro mandato, aos 73 anos, comentou sobre a importância do acervo. “Eu ficarei muito feliz quando minha fotografia estiver na Galeria Lilás, para minha família, as próximas gerações e as pessoas que visitarem a Câmara verem que eu fiz parte da história do município. Acho muito importante essa valorização porque nós mulheres sabemos da dificuldade que é enfrentar o preconceito para chegar a exercer um cargo eletivo”.

A vereadora ainda destacou o trabalho que sempre realizou na comunidade participando de entidades, até chegar a candidatura à vereança. “Quando a gente teve uma mulher na presidência da República, a Dilma Rousseff, isso deu mais confiança para buscar um lugar na política. Mas a mulher enfrenta muito preconceito. Eu sempre participei nas lutas das questões da comunidade, fui presidente da cooperativa, fui presidente do grupo de idosos, trabalhei na diretoria do Micro Bacia II, trabalhei como representante do Conselho Municipal dos Direitos dos Idoso, já participei do conselho da Saúde, entre outras funções. Então na comunidade as mulheres sempre participaram, mas quando se trata de um cargo eletivo, há muitas barreiras”.

Dejanira Bullé ressaltou que no seu caso, especificamente, teve que vencer três tipos de dificuldades a mais. “Eu sofri preconceito ou falta de confiança por ser mulher, ser assentada e ser idosa. Muita gente não acreditava que eu pudesse me eleger. Mas estou muito feliz em poder exercer nesses quatro anos minhas funções legislativas, fazendo leis e aprovando projetos que mudam e beneficiam o povo de Abelardo Luz”.

PROJETOS PARA AS MULHERES

Na agenda do Governador Carlos Moisés em Abelardo Luz no mês passado, a vereadora aproveitou a oportunidade e entregou dois requerimentos de projetos importantes para o município. O primeiro solicita a criação de uma Casa de Acolhimento para mulheres que sofrem violência, física ou psicológica, e serviria também para pessoas idosas, onde o idoso ficariam período integral e voltaria a noite para a residência. “Seria para atender uma demanda das famílias que tem que trabalhar, mas tem uma pessoa idosa que precisa de cuidado e não tem com qu deixar”, explicou a vereadora.

O segundo pedido foi a criação de uma creche rural, no assentamento 25 de Maio, auxiliando as famílias e, principalmente às mães do interior e que trabalham e não tem com quem deixar os filhos. “Tem muitas mulheres que são professoras, ou trabalham na produção, nas propriedades, além do trabalho de casa. Pedi que essas duas casas possam ser mantidas com parte dos recursos do Estado, para que o município não tenha dificuldades de manter o funcionamento quando o pedido for atendido” concluiu a vereadora.

134957027 1731812286986952 898177276019563284 n