Mulheres na Câmara de Abelardo Luz

Câmara em Ação08.03.18

A Câmara de Vereadores de Abelardo Luz deseja um Feliz Dia da mulher a todas as abelardenses.

1fae369e 441f 44af 8c0e d1f9cd2fece5

O Dia da Mulher, comemorado na data de 8 de março, é uma marco simbólico que serve para representar e manter na lembrança uma história repleta de lutas, resistências e conquistas das mulheres por todo o mundo e em todos os tempos. Muitos direitos foram adquiridos, como o direito ao voto, que as brasileiras conquistaram em 1932, através do Decreto 21.072, de 24 de fevereiro.  
Passados 86 anos da publicação, o eleitorado feminino representa mais de 52% no país. Apesar de ser mais da metade dos eleitores, nas Câmaras de Vereadores, por exemplo, as mulheres representam 13% da formação parlamentar. Isso quer dizer que dos 57.814 vereadores eleitos em 2016, apenas 7.803 são mulheres. 
Em Abelardo Luz, três das 11 cadeiras são ocupadas por elas. O número de representantes do sexo feminino ainda não se igualou ao masculino, mesmo assim, o município se destaca comparado a outros, mais populosos, que não elegeram nenhuma mulher. 


Isabel de Andrade


Filha de político, a Bel, como é mais conhecida, teve contato com esse universo desde muito cedo. Seu pai, Arno de Andrade, que dá nome ao plenário, aonde, hoje, a vereadora discursa, já foi prefeito e vereador. Bel foi a primeira vereadora eleita pelo Partido dos Trabalhadores, em 2013. Nesta segunda legislatura, ela legisla pelo MDB, seu partido de origem. Ela pretende seguir sua carreira política, mirando cargos mais altos. Quanto às necessidades das mulheres, a vereadora idealiza meios de aumentar a proteção às abelardenses. 
“Ainda hoje, a violência contra mulher é um grande problema na sociedade. Verbal, agressão física, todo tipo de violência, ainda é muito grande, levando em conta a era em que vivemos. Hoje a maior dificuldade que a mulher encontra é denunciar, ela acaba se retraindo.” A vereadora defende que no município, deve existir uma instituição voltada para o atendimento à mulher, para facilitar e deixar as mulheres mais à vontade para denunciar. Sobre a representatividade em cargos de grande importância, ela é enfática em dizer que: “O lugar da mulher é onde ela quiser... na política, dentro de casa, na agricultura...”


Carla Kleinebing 


Em sua primeira legislatura, Carla dá continuidade ao seu histórico familiar de políticos, tendo seu pai, marido e sogro já participado dos poderes Executivo e Legislativo abelardense. “Me senti bem à vontade para aceitar esse desafio. Que está sendo uma experiência única.” Conta a vereadora. Segundo ela, a sensibilidade e determinação feminina é um diferencial inato, que contribui para a tomada de decisões. 
 Carla fala sobre a representatividade feminina “A mulher tem que estar representada. Elas têm que estar amparadas, para que seus direitos sejam assegurados.” comenta. “Mais importante do que ter esse dia estipulado em lei para a comemoração do dia da mulher, é que todas nós sejamos respeitadas todos os dias.” Completou Carla. 


Queila Baretta


“Nós não podemos reservar apenas esse dia para homenagear e agradecer as mulheres por elas existirem e acrescentarem um brilho tão único no nosso universo.” Inicia a vereadora Queila Baretta. 
A parlamentar está em seu primeiro mandato. Bastante participativa, ela atenta para a dificuldade das mulheres de inserirem-se na sociedade e para o recorrente e grande número de casos de discriminação, violência e abusos que a população feminina sofre, levando em conta a diferença de sexo. “Já evoluímos muito, mas precisamos continuar na luta por nossos direitos. E não abriremos mão de nenhum direito daqueles já adquiridos. Precisamos que as mulheres tenham sempre mais coragem e terminação para se envolver na sociedade e também nas políticas públicas do nosso município.” Afirma, referindo-se a necessidade do envolvimento feminino na política. 
A Câmara de Vereadores de Abelardo Luz funciona com mais seis mulheres em sua equipe: a telefonista Neila Grosbelli, as colaboradoras Vera Lúcia da Silva e Dinorá dos Santos e as assessoras de comunicação: Francieli Corrêa, jurídica: Josiani Santin Gomes e a assessora a presidência: Raquel Ferreira. 


Vereadoras na história da cidade


Há quatro legislatura consecutivas, a Casa conta com a presença de mulheres na sua composição. A pioneira a assumir um cargo no Legislativo Abelardense foi Maria de Lourdes Bodanese, em 1973. Em 1997 foi a vez de Mirian Fátima Bodanese Kuhn ocupar uma cadeira no parlamento. Ela voltou em 2001, tendo como colegas Rosane Fátima Coronrtti Domanski e Marlene Agheta Piccinin, está última assumiu como presidente da Casa no ano de 2007.
Depois, em 2009, Marcia Silvana dos Santos foi eleita. Posteriormente, em 2013 foi a vez de Isabel Jesus de Andrade, que reelegeu-se e participa da atual legislatura (2017 a 2020), juntamente com Carla Cristina Kleinebing e Queila Cristina Baretta.