Representantes da Epagri apresentam problemas causados pela cigarrinha na safra

Sessão Ordinária02.02.21

Em sessão foi projetado os possíveis danos e as alternativas para o enfrentamento da praga

Img 3088

No início da sessão Ordinária da última segunda-feira(01), os parlamentares de Abelardo Luz acompanharam a apresentação da engenheira agrônoma Ana Luiza Meneghini, auxiliada pelo também engenheiro agrônomo Wiliam Magrin Adam e a extensionista social, Marli Benincá, sobre a praga conhecida como cigarrinha, que vem prejudicando a safra de milho em toda região.

“É uma praga que a gente sempre conviveu aqui no estado, mas não em grandes manifestações como este ano. Isso é decorrente da ausência do inverno rigoroso do ano passado, que geralmente impede a eclosão dos ovos da cigarrinha. Podendo ficar até seis meses sem se alimentar, se não houver um inverno rigoroso ela poderá ser um problema também para a próxima safra”, destacou Ana Luiza Meneghini.

Ainda de acordo com a engenheira foram definidos alguns passos para evitar que essa praga prejudique a próxima safra: eliminar o milho voluntário; não semear perto de plantações de milhos com enfezamento; sincronizar o período de semeadura na região; uso de sementes certificadas tratadas com inseticidas registrados; fazer rotação de cultura; controle na qualidade da colheita; rotação dos mecanismos de ação para evitar a resistência dos inseticidas e o monitoramento da presença da cigarrinha.

No mês passado o Governo do Estado acionou algumas empresas para montar um comitê, com o objetivo de dar capacitação para as equipes técnicas e para os agricultores.